24 de junho de 2018

Aporte Junho/2018

"When written in Chinese, the word 'crisis' is composed of two characters. One represents danger and the other represents opportunity." 
(John F. Kennedy)

Olá meus amigos da blogosfera financeira, tudo bem? Apesar dessa queda generalizada dos ativos de renda variável, estou bem tranquilo reanalisando a minha estratégia. O momento atual é de presevação de capital e aproveitar o caixa disponível para efetuar compras de empresas que ficaram bastante descontadas.

Este mês tem acontecido muitas coisas que tiraram o meu foco dos investimentos, mas irei detalhar um pouco mais no fechamento do mês. Por hora, o aporte de Junho/2018 foi:
Aporte Junho/2018

Renda Fixa

E você estava preparado para uma correção dessa magnitude nos ativos de renda variável da sua carteira? Todos os meses eu vinha provisionando alguns valores para essa possível correção. Desta forma, resgatei R$ 4000,00 para comprar ações que estavam com um valuation mais atrativo. Ainda possuo cerca de 3% do patrimônio no caixa para diluir as compras até as eleições de outubro.

Além disso comprei Tesouro IPCA+ 2024 pois é quando eu imagino o momento de estar bem próximo da Segurança Financeira.

Fundos Imobiliários

Estes dois ultimos meses também abriram possibilidade de comprar FIIs bastante descontados. Para este mês priorizei os fundos atrelados ao CDI e um fundo de Shopping Center (BVMF:MALL11), cujo setor tem se mostrado bastante resiliente nas crises. 

Observação: Não sou um entusiasta de fundos imobiliários no momento porque o seu crescimento depende de fatores conjunturais tais como novas ofertas, PIB, juros, desemprego, etc. Outro ponto desfavorável para mim é que como estou no inicio do período de acumulação patrimonial, o upside dos FIIs não é tão grande quanto as ações, sem contar que os FIIs não podem se alavancar nem serem alugados para se operar vendido.

Ações

Se você está com saudades da época do 1% ao mês da Renda Fixa "sem risco", saiba que há vários CDBs prefixados oferecendo 12% ao ano. O que isso tem a ver com as ações? Significa que é hora para comprar ações, pois estas possivelmente estão mais "baratas". As compras deste mês foram:
  • VENDA CIELO (BVMF:CIEL3) - Empresa excelente que se está em um setor com baixa barreira de entrada, buscando competir com os concorrentes no preço que influenciará as margens. Prefiro estar exposto ao case através de Banco do Brasil (BVMF:BBAS3).
  • B3SA (BVMF:B3SA3) - Empresa com dívida líquida negativa, com vantagem competitiva (monopólio) que gera muito caixa após a compra da CETIP. Nos preços atuais está muito atrativa.
  • ALUPAR (BVMF:ALUP11) - possui vários projetos "greenfield" entrando em operação apartir do 2º semestre deste ano, gestão competente e no valuation atual irá gerar dividendos crescentes nos próximos anos, gerando um excelente yield on cost.
  • MULTIPLUS (BVMF:MPLU3) - com a Selic a 6.5% por que não receber dividendos a cada quadrimestres com yield acima de 10%? Como a Selic  está no piso, qualquer aumento dos juros irá melhorar o seu resultado financeiro.
  • Tupy (BVMF:TUPY3) - empresa global que possui forte geração de caixa em moeda estrangeira, boa pagadora de dividendos com um hegde cambial. Continua muito atrativa a faixa do R$ 16,00.
  • Sanepar (BVMF:SAPR11) - a concessionária de saneamento do Estado do Paraná está gerando um yield em torno de 8% ao ano, possui um TIR muito bom, mas sabemos que o problema é a governança.
  • BANCO DO BRASIL (BVMF:BBAS3) - empresa estatal que de vez enquando fica muito abaixo do seu valor patrimonial (0,7x). Comprando BBAS3, você leva ainda BBSE3 e CIEL3.
  •  VENDA AMBEV (BVMF:ABEV3) - Empresa excelente que se está sempre bem precificada, em um setor que não tem muito concorrentes, pois possui a maior parte do market share. O yield é baixo com um baixo crescimento potencial, sigo fora por enquanto.
  • TELEFONICA BRASIL (BVMF:VIVT3) - empresa líder do setor que possui receita previsível e gera um yield acima de 5% ao ano nos preços atuais. Meu foco neste case é renda e menor crescimento.

Portanto, o total de Aporte do mês de Junho/2018 foi de R$ 12.000,00
Até a próxima meus amigos e grande abraço.

10 comentários:

  1. Vejo muita gente saindo de Cielo. No entanto o balanço continua robusto com muito lucro e dívida do investimento em cateno sendo paga. Gostei das compras, Alupar, B3, Banco do Brasil, Multiplus, todas tenho ação. Tupy nunca estudei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Beto, obrigado pela visita.


      O problema da Cielo é dificil estimar os fluxos futuros da empresa comparando com seu pares internacionais. Além disso, este setor se mostrou com uma barreira de entrada muito frágil. Prefiro comprar BBAS3 e levar CIEL3 e BBSE3 indiretamente.

      TUPY3 é uma empresa que produz componentes industrias e se benefecia do crescimento da economia mundial. Seu maiores acionistas são o Caixa de de Previdencia da CEF (Caixa Economica Federal) e o BNDES, ou seja, precisam de fluxo de proventos.

      Grande Abraço.

      Excluir
  2. Qual o problema com renda fixa? Se antes pagava mais juros com uma inflacao de 12 a.a agora paga menos, com inflacao menor, porem hoje o rendimento real as vezes fica acima do anterior... Nao entendo essa tara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá R.R,

      Eu não vejo problema nenhuma com a renda fixa, porém como o valuation das ações é calculado com o DCF (Fluxo de caixa Descontado: https://oaportadorfinanceiro.blogspot.com/2017/03/valuation-com-fluxo-de-caixa-descontado.html). A taxa de desconto é influenciada com os juros futuros, como por exemplo o Prefixado 2025 do Tesouro Direto está pagando 11,80% ao ano. Com isso os valor das empresas devem refletir esta taxa de desconto com um valor presente (preço) menor.

      Obrigado pela visita, abraço.

      Excluir
  3. Fala Aportador! Esse mês também comprei ALUP11 e TUPY3. Outras que vc citou ainda tenho um % maior na carteira e compro se cair um teco mais rsrs. FII eu já tinha MALL11, e comprei um pouco de VISC11 para fortalecer o pilar dos shoppings.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Andre,

      Isso mesmo, mesmo com essa queda generalizada é importante manter o % desejado em cada empresa.
      Eu também respeito o % alocado em ações e tento acumular mais nesses momentos de queda.
      Boa compra de VISC11, também pretendo aumentar a alocação em shoppings.

      Grande Abraço

      Excluir
  4. Se quiser um extra além dos dividendos de MPLU3, aluguei minhas ações por 18% ao ano, sem possibilidade do tomador devolver antecipado e nem de eu, doador, solicitar antecipado, prazo 31 de dezembro...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pela dica MI,

      Eu migrei tudo pra corretora socopa, vou ver como eu faço para alugar as minhas por lá.

      Grande abraço

      Excluir
  5. Brazilian Dutch Runner21 de jul de 2018 08:40:00

    Saudações Aportador,

    Muito interessantes as suas escolhas, principalmente as vendas. A concorrência não está fácil para CIEL3 e ABEV3. Estou posicionado, no setor, em ITSA4/ITUB4 e HEINY.

    Gostaria de uma sugestão sua, se possível. Quero diversificar a minha carteira de investimentos, muito concentrada em ações. Tenho 20% em renda fixa, 45% em ações/etfs internacionais e 35% em ações brasileiras.

    Estou pensando em adicionar alguns FIIs. Quais os seus preferidos? Qual seria uma diversificação boa entre eles? Uns 5?

    Desde já, agradeço a atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Brazilian Dutch Runner,

      Eu acho interessante diversificar em FIIs principalmente para diminuir a volatividade da carteira de renda variável e gerar uma renda mensal.
      Eu possuo um carteira bem diversificada em FIIs com mais de 10 fundos, onde no momento estou mais posicionado no setor de lajes corporativas, shopping centers e FIIs de Papel. Eu não tenho um conhecimento muito aprofundado em FIIs para recomendar um papel específico.
      Você pode acompanhar a minha carteira em tempo real (http://oaportadorfinanceiro.blogspot.com.br/p/blog-page.html)

      Sou mais entusiasta das ações, pois elas podem crescer bem acima da média do PIB.

      Grande Abraço

      Excluir