8 de julho de 2019

Fechamento Junho/2019: R$ 808.831,63

"You can't expect everyone to have the same dedication as you." 
(Jeff Kinney)

Olá meus amigos da blogosfera financeira, tudo bem?  Estamos em um momento de euforia, com IPO e follow-on de algumas empresas, apesar da expectativa do PIB para 2019 diminuir a cada semana. Uma das perguntas que eu faço nesta hora é: "Qual é o meu horizonte de investimentos? Qual risco eu estou submetido?".

As respostas a estas perguntas direcionam as minhas ações, onde eu prefiro estar focando no mercado interno com a expectativa de um ciclo positivo de crescimento da economia nos próximos anos. No mais, sem mais delongas, o fechamento de Maio/2019 foi:
Fechamento Junho/2019

Carteira: R$ 808.831,63
Aporte: R$ 8.500,00
Rentabilidade Mensal2,44%
Rentabilidade Anual9,69%
IPCA acumulado em 2019: 2,22% (divulgado em 07/06/2019)

Podemos destacar:
  • A carteira de ações obteve valorização de 4,86%, com destaque negativo para (BVMF:EGIE3) e (BVMF:VIVT3) que desvalorizaram -6,15% e -1,19% respectivamente, os destaques positivos foram (BVMF:SAPR11) e (BVMF:LCAM3) com valorização de 11,73% e 9,84% respectivamente. O índice Bovespa valorizou  4,06% este mês.
  • A Carteira de ETFs no Exterior obteve uma valorização de 2,21% devido a possibilidade de corte de juros no mercado americano, com destaque positivo para (NYSEARCA:SPYV) com   7,42%    de valorização. Além disso, o dólar americano desvalorizou    -1,92%    este mês.
  • A Carteira de FIIs  obteve valorização de 2,06%, cujo destaque positivo ficou por conta de (BVMF:BRCR11) com valorização de  6,72% enquanto que o destaque negativo foi (BVMF:HGLG11) com desvalorização de  -4,04%.O índice IFIX valorizou  2,88% este mês..
  • A Carteira de NTNBs valorizou 2,46% este mês, enquanto que a carteira PGBL valorizou   1,34% este mês com a exposição em renda variável.
  • Para mais detalhes, acesse a Carteira.
Composição da Carteira Junho/2019

Conforme a figura acima, o percentual de renda variável está em torno de 54,01%, ou seja, acima da média dos últimos meses. Não vejo risco x retorno favorável para investir em Renda Fixa com marcação a mercado (NTNBs e Prefixados), estou mantendo grande parte dos recursos em liquidez diária para manter o equilíbrio da carteira.

Considero que o momento atual é de cautela em relação ao equilíbrio da carteira, ou seja, por mais que o Brasil possa mudar estruturalmente o patamar dos juros (Selic a 5% ao ano e IPCA a 3,5% ao ano) sempre haverá solavanco durante a caminhada. Desta forma, eu prefiro ter sempre caixa disponível.

E se o Brasil começar a ter juros reais abaixo de 2% ao ano como o Chile, qual será o novo patamar para os ativos de renda variável (ações e FIIs)??? Como eu estou na fase acumulação, não fico muito empolgado com os valores atuais do mercado, mesmo que eu entenda que não estamos com valuation muito esticado. 

Do ponto de vista prático: Considere que uma pessoa precise de R$ 40 mil anuais para se considerar independente financeiramente. Quando as taxas do Tesouro IPCA+ estiver em IPCA+4% ao ano será necessário R$ 1 Milhão para gerar R$ 40 mil (4% de 1 Milhão) por ano antes dos impostos. E se as taxas do Tesouro IPCA+ forem para IPCA+2%? Qual será o novo montante de patrimônio para tornar esta pessoa livre financeiramente? Neste caso, será necessário um patrimônio de R$ 2 Milhões para gerar R$ 40 mil (2% de 2 Milhões) por ano antes dos impostos.

Para finalizar, estou lendo um excelente livro e recomendo a todos: Princípios, de Ray Dalio.


Grande Abraço e até a próxima.

16 comentários:

  1. não entendi seu raciocinio final

    ResponderExcluir
  2. ficou um pouco confuso suas conclusoes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acabei reescrevendo o exemplo porque realmente ficou confuso.

      A questão toda é: Com uma mudança do patamar estrutural da taxa de juros no Brasil, todos os ativos sofrerão um "re-rating" (reprecificação) de tal forma que será necessário um montante maior para auferir uma determinada renda passiva.

      Obrigado pela visita Hudson, abraço.

      Excluir
  3. Bombou esse mês né ? Olha o grande milho chegando... Tambem nao entendi a parte da TSR, pode elaborar ? Abs e bons investimentos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Vagabundo,

      Já reescrevi o texto e retirei o termo TSR porque estava totalmente fora de contexto.

      É verdade, acho que a hora é de investir em renda variável. Só espero não chegar tão "atrasado" para esta festa...

      Grande Abraço e bons investimentos

      Excluir
  4. A TSR de 4% não é relativa aos juros reais.

    Na verdade essa TSR de 4% foi calculada com base no mercado Americano, que já tem taxas mais baixas que a nossa. E uma coisa que ela considera é que você vai sacar do principal também, e não só os juros.

    Então, meu amigo: relaxe que é os 4% que você deve considerar mesmo na fase de "gastos". Mas saiba que você vai sacar os juros e parte do principal. Não vai deixar muito dinheiro de herança, mas vai aproveitar bem. E também não vai faltar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Anônimo, acabei não me expressando corretamente e já reescrevi o texto dando ênfase no ponto que eu gostaria de salientar.
      Com o fechamento das taxas de juros longos no Brasil, o montante necessário para obter uma determinada renda será maior.

      Eu estou tranquilo e nem fico fazendo muita conta para quando ou se a IF vai chegar, não pretendo me privar das coisas durante a minha trajetória. Gostei da sua frase: "...Mas saiba que você vai sacar os juros e parte do principal. Não vai deixar muito dinheiro de herança, mas vai aproveitar bem. E também não vai faltar."

      Grande Abraço

      Excluir
  5. Aportador, parabens!

    Gostaria apenas de fazer uma observação: acompanho seu blog e não entendo essa sua preocupaçao exarcebada com recursos em liquidez diária.

    Isso porque seus aportes são muito bons, na média dos 10k. Então, pra q tão preocupação com isso? Acho que vc está se privando de um rendimento maior em renda fixa (ex: um cdb mais longo, uma lci, cri, etc), em troca de uma liquidez que vc não precisa!

    Poderia explicar esse seu pensamento?


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo, excelente a sua pergunta.

      Em primeiro lugar, eu gosto de ter a possibilidade de agir quando o observo alguma assimetria interessante. Não considero que a renda fixa esteja me oferecendo muita vantagem em investir em um CDB mais longo.
      Para você entender o meu racional, sugiro assistir este vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=70irbZ8HhVI
      Eu prefiro ter liquidez do que ganhar 120% do CDi durante 4 anos sem poder resgatar. Além disso, a medida que a carteira crescer, pretendo montar operações estruturadas com opções para turbinar a rentabilidade da carteira, mas não divulgarei no blog estas operações. Estas operações estarão descritas na classe de ativos "liquidez diaŕia".

      Para investir em renda variável, é necessário aceitar a volatidade e é nessa hora que a liquidez se torna imprescindível.

      Grande Abraço

      Excluir
    2. Tá certíssimo - a volatilidade é amiga de quem está na fase de acumulação.

      Excluir
    3. É engraçado isso pq esse é o senso comum. Mas alguns dizem exatamente o oposto: é melhor ter mais volatilidade no final da vida. E justificam: se você perder 50% do seu capital no fim da vida, que diferença faz? Já está perto do fim mesmo...

      Acho que isso faz sentido pros grandes milionários. Pra gente que investe pra ter uma aposentadoria melhor, ainda fico com a volatilidade na fase de acumulação rs

      Excluir
  6. Aportador,

    O Daniel é fera! Obrigado por compartilhar o vídeo, não tinha visto esse ainda.
    Eu também tenho alguns CDBs, até menos de 120% CDI (tenho alguns de 113% CDI, de bancos sólidos, que não dão prejuízo, segundo o site bancodata.com)

    Nesse caso, você acha que compensa eu tentar vendê-los antecipadamente no mercado secundário e me livrar logo deles? Vencem em 3 anos. Ou deixo quieto e só não aporto mais em CDB sem liquidez?

    Valeu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tum Tum, também considero o Daniel um cara fera, uma dos melhores analistas CNPI que eu conheço.

      Eu também possuo alguns CDB e vou ficar quieto e deixar vencer sem aportar mais. Tem uma frase que diz: “invista centavos para ganhar dólares, não investe dólares para ganhar centavos”. Investir em CDB hoje é investir dólares para ganhar centavos.

      Na minha humilde opinião, a renda fixa morreu. Quem quiser ganhar mais terá que tomar riscos na renda variável

      Grande abraço

      Excluir
    2. É verdade...A Easynvest até oferece essa opção de resgate antecipado, nunca utilizei, mas sei que certamente terá uma perda da rentabilidade. Mas como "o que está feito, está feito", mas acredito mlr deixar pra lá...
      Quanto à renda variável, eu tenho repensado na minha estratégia de me expor mais também, mesmo que seja por meio de ETFs. Infelizmente ainda não me acertei com stock picking.

      Excluir
  7. Olá, Aportador.

    Parabéns pelo fechamento. Já com quase 10% acumulado no ano e já beirando no grande 1M. Inspiração pra todo mundo aqui da Finansfera!

    Essa queda na Selic e na renda fixa realmente assusta muita gente que começa a investir no Tesouro Direto e já pensa que o rendimento vai cair e quer vender tudo pra ir pra RV. Muito do meu próprio patrimônio está alocado em RF e mesmo assim não me assusto; sigo aportando tranquilamente e regularmente em ambos os setores.

    Você pretende viver de renda usando TSR na renda fixa? Ou quer aportar mais na RF pra viver de dividendos?

    Acabei de descobrir seu blog e já vou me inscrever. Uma verdadeira inspiração pra todos nós. Se der, dá uma passada no meu também depois.

    Abraços e seguimos em frente!

    Pinguim Investidor
    https://pinguiminvestidor.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Pinguim Investidor, já adicionei seu blog na blogroll.

      Eu pretendo viver dos rendimentos da Renda Variável e pretendo migrar aos poucos para um fundo de investimento no estilo "All Weather Portifolio".

      Em relação a TSR eu farei semrpe uma análise anual, onde eu migraria os recursos para uma conta de renda fixa e reinvestiria o restante na carteira.

      Grande Abraço

      Excluir